top of page
e-readers kindle amazon
  • Foto do escritorCanal Sonho Grande

Fluxo de Caixa: O que é e para que serve

Atualizado: há 2 dias

Fluxo de caixa, juntamente com a Demonstração de Resultados (DRE) e Balanço Patrimonial, é um dos três relatórios financeiros utilizados pelas empresas para avaliar a saúde do negócio.


Nesse post vamos falar sobre a importância desse relatório para qualquer empresa e mostrar que uma empresa ser lucrativa não é garantia de que ela prospere ou até mesmo não venha a falência.


post fluxo de caixa o que e para que serve

O que é Fluxo de Caixa


O Fluxo de Caixa é um relatório financeiro que rastreia o dinheiro que entra e sai do caixa de uma empresa durante um período. Nele são registradas todas as transações monetárias relacionadas as operações, investimentos e financiamentos de uma empresa.


Para que serve o Fluxo de Caixa


Muitas pessoas acham que a DRE, relatório que mostra o lucro líquido obtido durante um periodo, é o relatório mais importante para saber se uma empresa está saudável financeiramente. Até porque se uma empresa está tendo lucro ela tem garantia de que irá sobreviver, correto? Errado.


Tão importante quanto trabalhar para ter lucro, a empresa deve garantir que terá mais entradas do que saídas do seu caixa, que, como veremos nesse post, não são a mesma coisa. E o relatório que serve para indicar isso é o Fluxo de Caixa.


Lucro vs Caixa


Ter lucro e ter dinheiro em caixa, apesar de estarem relacionados, são coisas diferentes. Como mencionamos antes, o DRE é o relatório que mostra se a empresa teve lucro ou prejuízo em um determinado período. Nele são detalhadas as receitas e gastos obtidos para atingir o resultado.


Porém, no DRE, a receita é o valor obtido das vendas realizadas no período, ou seja, se a empresa vender um produto que foi parcelado em 3x no cartão, a receita total do produto está contabilizada no DRE do mês, mas a empresa só recebeu de fato em caixa 1/3 do valor.


Da mesma forma os gastos. Os gastos que aparecem no DRE são os gastos responsáveis para gerar a receita apresentada, ou seja, se uma empresa teve que pagar 12 meses de aluguel adiantado, no DRE só será contalizada uma parcela, referente ao mês, enquanto que um valor muito superior já saiu do caixa da empresa.


Colocando em termos mais técnicos da contabilidade, dizemos que o DRE é construído com base no regime de competência, enquanto que o Fluxo de Caixa no regime de caixa.


Exemplo prático de um fluxo de caixa


Agora vamos a um exemplo que mostra como uma empresa lucrativa pode quebrar. Abaixo temos 6 meses do DRE simplificado de uma empresa.


DRE simplificado

Podemos perceber que todos os meses desde quando a empresa começou a operar ela teve lucro, ou seja, as receitas superaram os gastos (custos e despesas).


Mas vamos considerar que essa empresa espera que a receita obtida leve 2 meses para entrar no caixa efetivamente, que os custos sejam pagos normalmente todos os meses e a despesa possa ser paga em um intervalo de 1 mês. Além disso, a empresa possui R$ 10 mil em caixa quando inicia a operação.


Dessa forma, o fluxo de caixa dessa empresa seria assim:

exemplo pratico fluxo de caixa

Perceba que, no fim do mês 2, a empresa já teria utilizado todos os R$ 10 mil que tinha em caixa e só voltaria a ficar positivo apenas no final do mês 6.


É por isso que muitas empresas fecham rapidamente, simplesmente pelo descasamento do dinheiro que entra e sai do caixa, não necessariamente porque o negócio não é lucrativo.


Composição do Fluxo de Caixa


O Fluxo de Caixa é dividido em três grupos principais, cada um fornecendo uma perspectiva única sobre as atividades financeiras de uma empresa:


  1. Fluxo de Caixa das Atividades Operacionais (FCO): Este grupo representa o dinheiro gerado ou utilizado pelas atividades principais do negócio. Inclui transações relacionadas à produção, venda e entrega de bens ou serviços. Assim como pagamento de fornecedores, salários, impostos sobre vendas e despesas operacionais.

  2. Fluxo de Caixa das Atividades de Investimento (FCI): Este grupo registra o dinheiro gerado ou utilizado em investimentos de longo prazo. Envolve a compra e venda de ativos de capital, como propriedades, equipamentos e investimentos em outras empresas.

  3. Fluxo de Caixa das Atividades de Financiamento (FCF): Este grupo reflete o dinheiro gerado ou utilizado para financiar a empresa e suas operações. Inclui transações relacionadas à captação de recursos e à devolução de capital aos acionistas ou credores.


Fluxo de Caixa é fundamental que seja analisado pelo empreendedor


À medida que exploramos o Fluxo de Caixa, torna-se evidente que este relatório desempenha um papel crucial na saúde financeira de uma empresa.


Ao contrário do que muitos podem supor, a lucratividade nem sempre é garantia de estabilidade financeira. O exemplo prático que analisamos ilustra vividamente como o descompasso entre receitas e despesas de caixa pode levar até mesmo uma empresa lucrativa a falência.


Em resumo, o Fluxo de Caixa é muito mais do que uma mera formalidade contábil; é uma ferramenta essencial para a saúde financeira e a sustentabilidade de qualquer empresa.


Portanto, ao planejar e administrar um negócio, nunca subestime o poder e a importância do Fluxo de Caixa.

Kommentare


bottom of page